Eterna Aurora

Pérolas literárias de Hélio Pólvora são reunidas em Os Galos da Aurora & Outros Contos, lançado hoje, na Fundação Casa de Jorge Amado. 

Jornal A Tarde – 25/03/02
Carlos Ribeiro 

O escritor Hélio Pólvora proporciona, em cada novo volume dos seus livros – que abrem sempre as portas para territórios surpreendentemente entrelaçados de múltiplos e ricos significados – algumas gratas surpresas. Uma delas é a percepção renovada da estranha mescla de solidez e mutabilidade da sua obra. Uma obra na qual, diferentemente, inclusive, da de alguns grandes nomes da literatura universal, inexistem aquelas depressões mais profundas que, não raro, levam seus criadores a renegar este ou aquele texto como um filho defeituoso. Mas sobre a qual, por outro lado, seu autor sempre se debruça, numa incansável busca da perfeição.

Os 15 volumes de contos e crônicas publicados pelo autor (sem falar nos livros de poesia e crítica literária) vêm marcando uma trajetória que o coloca definitivamente entre os mais importantes contistas brasileiros. Essa solidez, entretanto, não o impede de perseguir aquele mais alto grau de significação da linguagem, que, segundo Ezra Pound, é o atributo da grande obra literária. Daí a constante revisão que faz dos seus textos, a cada reedição. Não de todos, mas daqueles “menos que perfeitos”, que, conforme ele mesmo diz, “sofrem mudanças ditadas pelos autores, já que tais obras constituem um prolongamento forçado de quem as narrou, um estuário para o qual se dirige, às vezes cegamente, o autor-narrador”.

O fato é que o incansável escritor grapiúna mostra-se difícil de se contentar. Como criador originado das matas de cacau do sul baiano, ele faz, das várias criaturas que compõem o gênero humano – objetos da sua arguta observação -, essa criatura única, composta por uma linguagem rica de lirismo e revelada através de uma fina acuidade psicológica. Sua obra é, pois, um caleidoscópio complexo em seus claros-escuros sem nunca deixar-se surpreender pelo lugar-comum.

Nova edição

É verdade que esse procedimento, de constante reelaboração, comporta riscos. O leitor pode sentir-se melindrado, até mesmo traído ao ver modificada aquela peça que marcou um determinado momento da sua sensibilidade. Mas, plantado na convicção de que o autor tem o direito de mexer em suas criações, pois que estas, afinal de contas, nasceram dele, eis que Hélio Pólvora apresenta-nos, agora, 43 anos após sua estréia, a nova edição (revista, refundida, subtraída e acrescentada) do seu primeiro livro, Os Galos da Aurora, agora intitulado Os Galos da Aurora & Outros Contos. Editado pela Fundação Casa de Jorge Amado, através do selo Casa de Palavras, com 142 páginas, projeto gráfico de Gabriela Nascimento e estudo introdutório de Aramis Ribeiro Costa, ele será lançado hoje, a partir das 18 horas, na própria Fundação, no Largo do Pelourinho.

O livro traz 10 contos, em sua grande maioria inexistentes no volume original. Na verdade, apenas três deles são aproveitados na obra atual, sendo que unicamente dois, incluindo o que nomeia o volume, mantêm o título e a estrutura básica da primeira edição. De forma que se trata, praticamente, de um novo volume, com textos exemplares, que vêm somar-se ao acervo de pérolas do autor, a exemplo de Meu Compadre Tirésio e Für Elise – esta uma “obra-prima de sutileza e sugestões”, na definição precisa de Aramis.

Apesar de estar sendo lançado por uma instituição que não dispõe de uma distribuição em nível nacional, o lançamento deste Os Galos da Aurora & Outros Contos deve ser visto na sua devida dimensão: a de um dos principais acontecimentos literários do ano, num país cujas grandes editoras, em suas badaladíssimas bienais, nos empurram, goela adentro, muito lixo em embalagens de luxo. Assim, fazemos nossas as palavras de Aramis: “(…) a obra do contista Hélio Pólvora, através deste livro de pouco mais de quatro décadas, percorre uma elipse luminosa e retorna, renovada e enriquecida ao ponto de partida, como se buscasse – e finalmente encontrasse – o sempre sonhado caminho da eterna aurora”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *